domingo, setembro 24, 2006

O aborrecimento desta vida...


Foto de Maria Flores

Um terço da vida, é na cama cumprido,
Nem sempre gozando. É mais, dormindo.
O sono alimenta os momentos sagrados,
Os dois terços de vida mais agitados.

Outro terço gasto, resulta na labuta,
Voluntariamente, por amor ou à bruta,
Labuta o rico, o pobre e o ignorante,
É chato, é refúgio, e é gratificante.

Um terço resta, e quando bem ocupada,
Vida com graça, bela e despreocupada,
Mas o oposto transforma-se em torpor,
É tédio, estagnação, torna-se horror.

Os terços da vida, nesta gente ficou,
Desta imensa escravidão, nada deixou.

3 comentários:

Paula Raposo disse...

Tem que se começar a pensar como passar melhor todos os terços da nossa Vida!! Dia 14, conto contigo...Ok? beijos.

zezinhomota disse...

Desejo para si que a vida, ao lado da poesia e tudo o que lhe dê satisfação pessoal haja sempre o sol.

Abraço.

ZezinhoMota

Saramar disse...

Poeta, muito interessante, excelente!
Um anova abordagem poética do tempo, o perdido, o ganho e o dado.
Gostei demais.

beijo