domingo, setembro 10, 2006

De morrer há-de haver melhor forma.


Foto de Miguel Delgado e Silva

Estou que nem posso, com certeza,
Nem nada me prende, nem grandeza,
Neste mundo tudo sempre me cansa,
Um enfastiar, mesmo na lembrança.

E nesta segurança sendo duvidosa,
Que a aliança da vida é vaidosa,
Num lanço em espiral me lanço,
Falta a sorte, que foge ao tanso.

Que cansado da vida deambulava,
Mas por tanso ser se encontrava
No princípio do fim do meu lanço
Sustendo o peso do meu balanço.

Longos os momentos a que sujeito,
O sujeito que estragou o meu feito,
Mas o cansaço assim me conforma,
De morrer há-de haver melhor forma.

5 comentários:

Jofre Alves disse...

Passo e como sempre fico agradado pela beleza e qualidade deste blogue «que sustenta o peso do meu balanço», como diz o poema.

Paula Raposo disse...

Bom jogo de palavras. Às vezes algo invisível nos sustém...beijos.

Morgaine disse...

Morrer de amor por exemplo .. :)

Dalila Flag disse...

Estive no seu outro espaço: Pensamentos & Fotos in White. Gostei muito e deixei um comment.
Com certeza voltarei porque há muito a ser lido.
beijos

Anónimo disse...

hi, how are you? synthroid online [url=http://dotnet.org.za/members/cheap-synthroid-online.aspx]cheap synthroid[/url] http://dotnet.org.za/members/cheap-synthroid-online.aspx online