domingo, setembro 17, 2006

Loucura


Foto de Iksodas

Não passa de um fato, a loucura,
Que vestido ou não, por momentos,
Liberta o demónio nessa escura,
Planície da solidão de tormentos.

Mas existe a boa e a má loucura,
Uma cresce nas entranhas aos poucos,
A boa traz a felicidade e a cura,
E na confusão a má deixa-nos loucos.

Mas como não trocar os pensamentos,
Se quem nesse fato emprestado mora,
Não sabe se despir desses momentos,
Ou ri da dor ou grita porque namora.

E se sair por aí, montado na loucura,
E se me olharam de um jeito estranho,
Pensarei - Tanta gente de cabeça dura,
E eles - Mais uma ovelha pró rebanho.

Não quero saber então se enlouqueci,
Nem quero saber mais da normalidade,
Basta-me saber que te tenho só a ti,
Para mim tudo mais, mera futilidade.

8 comentários:

ZezinhoMota disse...

Hoje parece ser dificil aqui entrar, já por várias vezes o teno sem o conseguir.

Boa leitura, bom ambiente e boa musica, parabéns.

Tenha boa semana.

Um abraço.

ZezinhoMota

Vamos ver se eu modificar com a identificação.

Luna disse...

Como é bom um pouco de loucura , neste mundo tão denso
beijocas

Paula Raposo disse...

Obrigada pela passagem nas minhas romãs. Beijos.

Ana Luar disse...

E se é loucura amar Marco... então tb eu me uno à tua loucura.

Senti a tua falta... pena que voltasses numa hora tão triste para mim... vale-me a certeza de que posso usar e abusar do vosso carinho.

Moonshinne disse...

Olá
Doces loucuras que leio por aqui... Boas e que dão vontede de voltar e ler e voltar a ler.
A cada dia melhor.
Fica bem
Beijo

Jofre Alves disse...

Agradeço a tua última vista, e leio agradado este poema, da loucura normal, como disse uma vez outro poeta. Parabéns.

Paulo Sempre disse...

Há poetas em quem a morte não teve poder....
Abraço
paulo

Cris disse...

Há loucuras deliciosas :)
Um beijo